Você tem Sinestesia ou é Cinestésico ?!? 7


Desta vez estamos apresentando um vídeo para você se identificar e analisar uma característica predominante de pessoas que são sinestésicas (exemplos). Em nossos estudos sobre transmídia e a sinestesia verificamos que quanto mais mídias, e diferentes tipos delas estivermos recebendo uma informação, mais facilmente ela será armazenada em nossos arquivos mentais.

Sinestesia: canais de percepção sensorial

Na comunicação interpessoal existem basicamente três canais de percepção sensorial que afetam diretamente como a sinestesia é manifestada:

– Visual,
– Auditivo e
– Cinestésico (Sinestésico)

Normalmente as pessoas possuem um dos canais que são preferenciais, ou mais impactantes, em sua vida, alguns, de forma mais rara, conseguem equilibrar bem todos esses canais.

Sinestesia: significado e diferenças com Cinestesia

Porém existe bastante polêmica e discussão sobre a diferença entre a sinestesia e cinestesia. Vamos então dar o devido significado de palavras da língua portuguesa quanto a sinestesia como cinestesia, que mesmo num dicionário português online você não encontraria, menos ainda num dicionário inglês português:

Cinestesia significado:

  • O Cinestésico tem a ver com a percepção dos movimentos corporais ou musculares. Uma pessoa cinestésica centra suas experiências nas demonstrações físicas, por exemplo, ao se comunicarem precisam tocar o seu ouvinte. O cinestésico-corporal, processa melhor a informação através do movimento e também do toque, e aprende melhor movimentando-se, tocando ou mexendo nas coisas.

Sinestesia significado:

  • O Sinestésico tem a ver com aquele que é “sensorial”, ou seja, aquele que é capaz de fundir, ou misturar, diferentes sentidos humanos. Exemplos de sinestesia: algumas pessoas sinestésicas conseguem ouvir um movimento visual (audição + visão), conseguem sentir cheiro ou gosto de uma imagem visual (olfato ou paladar + visão), outros ainda conseguem visualizar cores ao ouvir uma música (visão + audição).

Portanto podemos dizer que um Cinestésico é também, de certa forma, um Sinestésico, porque o Cinestésico aprende melhor através do toque, por meio do contato humano ele consegue ouvir melhor a informação (tato + audição). Isso é um exemplo de mesclar diferentes sentidos, que ocorrem tipicamente com Sinestésicos.

Sinestesia: exemplos

Vamos dentro dessas definições apresentar, dentro da temática de sinestesia, exemplos práticos. O vídeo abaixo é um teste para ver se você é predominantemente sinestésico. Ao ver o vídeo, quem tem sinestesia conseguem “ouvir” os movimentos visuais !! Ou seja, conseguem captar um som que outros não ouvem, tipo um som de respiração de fundo, um chiado ou algo parecido (embora não exista som real algum !!). Você tem sinestesia ? Comente com a gente logo abaixo …

Assim como, mostrado em vários videos pelo YouTube, papagaios e outras aves que simplesmente ao ouvir uma música, ficam motivados a “dançar”, acompanhando a música. Esses vídeos são muito engraçados … Estudos comprovam que este tipo de pássaro, tem praticamente a reação de uma criança de 2 a 3 anos ao ouvir uma música que “mexe” com a gente. Ou seja, ele não foi treinado para fazer isso, ele está reagindo naturalmente à música. O cinestésico necessita se movimentar fisicamente para aprender, sentir ou “ouvir” melhor.

Veja abaixo um desses divertidos vídeos:

Sinestesia: em Sala de Aula

Por que estou falando de tudo isso ?!? O educador precisa ficar atento a essas características em seus alunos nas aulas. Para tanto, sugerimos que, de vez quando, paralisar a aula e praticar alguma atividade física. Dessa forma, os cinestésicos que aprendem melhor movimentando-se, e mesmo os outros tipos de alunos, vão poder oxigenar melhor o seu cérebro, e mexer seus músculos. Poderão com isso, mudar de atividade por algum tempo, e voltar com outro ânimo.

Aparentemente pode parecer uma “perda de tempo” !! Mas, ao se praticar isso observa-se a reação positiva dos alunos, e o seu melhor aproveitamento e interação com a classe. Esse foi um dos pontos que discuti mais detalhadamente em minha Tese de Doutorado. Experimente fazer isso !! Compartilhe a sua percepção, e deixe os seus importantes comentários por aqui …

DICA: Veja esta importante reportagem da Revista Época sobre a Sinestesia (“Por dentro do cérebro de um sinestésico“).

Aproveite agora para se cadastrar e continuar a receber nossas LIÇÕES diariamente sobre os principais tópicos educacionais que circulam na WEB e que podem mudar a sua visão de mundo e da educação!! CADASTRE-SE clicando AQUI !!


sobre Prof.Dr.CARLOS VALENTE

Doutor (UniBan) em Educação Matemática, Doutorando (ITA) e Mestre (IPT) em Engenharia de Software. Pós-Graduado em Análise de Sistemas (Mackenzie), Administração (Luzwell-SP), e Reengenharia (FGV-SP). Graduado/Licenciado em Matemática. Professor e Pesquisador da Universidade Anhembi Morumbi e ESAB - Escola Superior Aberta do Brasil. Autor de livros em Conectividade Empresarial. Prêmio em E-Learning no Ensino Superior (ABED/Blackboard). Consultor de T.I. em grandes empresas como Sebrae, Senac, Granero, Transvalor, etc. Viagens internacionais: EUA, França, Inglaterra, Itália, Portugal, Espanha, etc. CURRICULO LATTES = http://lattes.cnpq.br/5121684547787661


Deixe uma resposta

7 Comentários:

  • Cecilia

    sobre o video pra saber qual dessas três eu tenho, ele pareceu combinar mais com auditivo por que eu percebi que mesmo que não tivesse som ali assim mesmo eu ouvi uma respiração ao fundo como essa fosse a minha .

  • Cecilia

    nossa engraçado que eu possa ser uma sinesteta sendo que ao pensar em que tudo que tinha visto ou passado até agora fosse por conta da minha sinstesia que estava presente em mim e eu nem tinha percebido

  • e-teacher

    Ver tambem o que diz o emérito professor Moran sobre CINESTÉSICO em >> http://www.eca.usp.br/prof/moran/interf.htm

    – A quinta forma de inteligência é a cinestésico-corporal, que processa melhor a informação através do movimento e do toque; que se manifesta em quem não consegue ficar muito tempo sentado e aprende melhor movimentando-se, tocando ou mexendo nas coisas.

    ….

    Nós sentimos através do corpo, do movimento. O conhecimento cinestésico nos situa no mundo: Onde estamos? O que está em volta de nós?. Estabelecemos relações a partir das sensações que o corpo e os sentidos nos comunicam. Neste nível, a imagem também tem uma dimensão sensorial. É a imagem que me toca, que me localiza, situa, emociona. É o conhecimento experiencial, direto, imediato, que na nossa cultura vai se perdendo na medida em que evoluímos intelectualmente (corpo opaco, rígido). Quando observamos uma criança ou um adolescente falando, gesticula muito mais do que o adulto, seu corpo se move, balança, gira. Se expressa com o corpo, olhar e com uma linguagem falada extremamente sensorial, concreta, cheia de conectivos “e aí…e então…”.

    ….

    A educação formal concentra o conhecimento na cabeça, no racional, eliminando progressivamente o sensorial. O aluno é cinestésico, o professor, não. Da imagem “sensorial”, mais imediata, que capta a exterioridade das pessoas e coisas, vamos, aos poucos, evoluindo para a imagem “mental”, que estabelece uma relação com o mundo através da visualização analógica, representacional, simbólica. Conhecemos neste nível através da comparação, da analogia, da semelhança e da diferença, da metáfora, da conjunção de imagens. É um ver menos sensorial, mais elaborado, complexo. “A sabedoria visual é a mãe de uma forma íntima de lógica que depende da metáfora como sua estrutura. A metáfora salienta o significado interligando grandes experiências desconexas. Os fatos e termos específicos isolam e delimitam o significado. A metáfora, principalmente a visual, é uma forma inclusiva e proliferativa de organização de experiências. Isso significa que a sabedoria visual é inerentemente conectiva e cria conjuntos mentais que tendem para a síntese”

  • e-teacher

    Professor,

    O termo correto é CINESTÉSICO.

    Com S só se for no SECOND LIFE mesmo.

  • Archanjo

    Valente,

    Muito interessante o seu post e vem na hora certa, como sempre! Estou planejando algumas atividades com meus alunos de Design Gráfico que envolvem justamente o uso de outros sentidos físicos no decorrer das aulas, como forma de ampliar a percepção e interferir positivamente no desenvolvimento de projetos de computação gráfica.

    Grande abraço e muito sucesso,
    Archanjo 0:)